quinta-feira, 31 de março de 2011

Apenas um desabafo


Sabe o que mais me irrita? Falta de palavra, falta de bom senso, achar que todos somos peças para seus joguinhos mesquinhos e egoístas.

Ela acredita que tudo gira em torno dela, que tudo acontece pra ela, do jeito dela e na hora dela. Talvez pense que somos planetas e ela o sol, que dependemos dela, e vivemos por sua causa. So uma observação: você não é o sol, e nada gira em torno de você.

Cansei, estou farta de ver como você brinca com a vida das pessoas, com os seus sentimentos. Desumanamente, cruel. As vezes me custa acreditar que por dentro de todos esses tecidos, músculos e articulações bate realmente um coração. É difícil reconhece em você um ser humano. Parabéns você mais uma vez conseguiu a minha indiferença.

28/02/2011


Ca estou eu ha alguns dias do meu aniversario. O vigésimo aniversario.

E como de costume tento balancear os últimos dezenoves anos, desta vez não tenho muito sucesso.

Estou vendo mais um capitulo daquela novela que eu a meses atrás dizia odiar e atualmente não perco um capitulo. É muita coisa mudou. Eu mudei.

Duas atrizes se abraçam num sincero e confortante abraço consolador. Percebo o quanto estou sozinha e o quanto me fazem falta companhias.Certas companhias... pessoas que se afastaram, pessoas que eu afastei... pessoas que me magoaram, pessoas que eu magoei. Agora, no 361º dia desse 19º ano de vida,eu consigo perceber as voltas que a vida da. As peças que ela pregou, as ironias, os presentes que me deu e as mudanças que efetuou com ou sem a minha permissão.Estou tão cansada. Me passa pela cabeça que uma certa tensão pré menstrual pode ter algo a ver com todo esse cansaço solidão e nostalgia.

Incrível como sempre precisamos de um bode expiatório.

Voltei. A mesma menina um ano mais velha. O que mudou? absolutamente nada. Pelo menos nada de bom, so aumentaram as angustias, os rancores, as duvidas, as tristezas..algo me diz que não deveria ser assim. Eu devia no mínimo estar grata por mais um ano de vida não ? mas não estou. Egoísmo?ingratidão? provavelmente. Mas é mais forte que eu. Uma coisa eu concordo com a garota que a sete dias atrás começou esse texto:continuo cansada, e desta vez sem nenhum bode expiatório.

O poder das palavras


cuidado com as palavras pronunciadas em discussões e brigas, que revelem sentimentos e pensamentos que na realidade você não sente e não pensa... pois minutos depois, quando a raiva passar, você delas não se lembrará mais... porém, aquele a quem tais palavras foram dirigidas, jamais as esquecerá .

Uma ultima vez



Ah se eu soubesse,que era a ultima vez, não teria dito nada do que disse, não teria feito nada além de te abraçar e aproveitar cada segundo sem tirar os olhos de ti, se tivessem me avisado que era a última vez, eu poderia implorar pra que você ficasse mais um pouco, só pra te explicar que mais um pouco seria muito pouco, e que por menos que fosse já seria muito pra mim, se eu soubesse, ah se eu soubesse! Te falaria mil coisas, sem dizer uma palavra, te mostraria mil dias de agonia em um olhar. e quando você estivesse saindo, eu te chamaria de volta e daria um último abraço, com todo carinho que ninguém nunca mais vai te dar!

Nota da autora: O texto não é de minha autoria, e infelizmente não consegui descobrir o seu autor.

quarta-feira, 16 de março de 2011

Jogo da vida


Ando viciada nesses joguinhos de cartas do computador. Passo horas e horas desvendando,treinando, aprendendo truques, e me viciando cada vez mais e mais.

No meu ultimo jogo porem houve uma pausa,uma longa pausa.E durante o tempo em que deixei a setinha do mouse paralisada no cantinho do quadro verde,me peguei focada em um grande vazio.

E pronto não precisava de mais pra saber que la vinha uma nova tese, uma viagem lunática do meu pequeno eu lírico.

Vou compartilhar com vocês a perola que se construiu por aquele par de olhos castanhos claros.

Eis o seguinte, comecei a analisar as propriedades do jogo, sua dinâmica, as regras,os objetivos, e as estratégias e logo estava tentando imaginar o quão bom seria se eu pudesse transferir ou adaptar algumas propriedades joguisticas para minha vida. Eu acho que muitos de vocês não discordariam de mim se a técnica do “ctrl z” (usada na telinha para reverter a ultima jogada) pudesse ser utilizada também para regressar na ultima ação executada por nos os jogadores desse jogo chamado vida. Alguém é contra? Se manifeste agora ou viagem comigo nessa idéia

Outra coisa que me chama muita atenção são as três cartas apresentadas no canto superior esquerdo do quadro. Seria interessante se pudéssemos saber ou ver de uma vez as duas ações que segue uma ação efetuada. Seria mais simples e menos trágico.

Ate mesmo quando a carta desejada é a segunda e a primeira é no momento descartável,é primordial ao jogador o fato de poder vê las embora parece inacessível. por que isso nos motiva a adaptarmos de qualquer maneira e a acomodar a primeira carta para alcançar a almejada. Assim seria a vida, aprenderíamos a conviver ,aceitar e nos enquadrar a certas situações se soubéssemos que o que nos espera é algo realmente bom ou desejado.

A vida seria um fardo muito mais leve para todos nos, mesmo para aqueles que a preferem com um pouco mais de adrenalina e acasos.

O modo como em cada ciclo finalizado as três cartas disponibilizadas se reciclam,variando assim as oportunidades,também é surpreendente assim como aquela novidade nesse novos computadores que particularmente me deixou encantada. o fato deles computarem quantas jogadas já foram feitas e dessas quantas vitorias foram conquistadas,a porcentagem do seu potencial como jogador, o tempo que você utilizou para chegar ao final do jogo e tem ate uma pontuação extra pelo tempo que foi feito. Tudo isso nos da motivam para em um próximo jogo. Seria no mínimo interessante receber um relatório de alguns pontos notórios para nossa auto avaliação. Isso também resolveria o fator: O criador. Deus continuaria tendo em nossas vidas o papel primordial que sempre teve.

Um outro ponto que me alucina é o fato de poder abandonar um jogo e iniciar outro totalmente novo quando me parecer conveniente selecionando o F2. É pedir muito poder reiniciar minha vida no momento que eu achar melhor?

Nem to pedindo para escolher a vida que será iniciada, mesmo por que essa opção não nos é dada nesse jogo. Você pode iniciar um nova jogada mas sabe tanto sobre ela quanto sabia da ultima.Então aceitaria o fato de partir 20 vezes do 0 repetindo tudo apenas pelo prazer de viver de novo algumas experiências e conhecer outras.

Ah! Quase me esqueço de um truque espetacular, o grandioso “h”.ele da pistas de jogadas que o computador consideradas boas,uma espécie de conselheiro.E totalmente sincero. Quando não há o que fazer ele sem rodeios avisa.

Nota da autora: A vida é como um jogo, o distino dá as cartas mas é voce quem decide o que fazer com elas.

sexta-feira, 11 de março de 2011

Voltas que a vida dá


Sempre fui uma criança muito alem do meu tempo quando o assunto era amor.

Adorava filmes romaticos, analisava cada príncipe minuciosamente. Como se daquilo dependesse minha vida. Nunca almejei o casamento... talvez por que não via nenhuma ligação entre homens, aliança, branco, igreja e eternidade.Para mim, príncipe era alguém que você precisava escolher/encontrar cuidadosamente. Já imaginava que a missão não seria fácil, logo vários príncipes passariam por meu departamento analítico.

Durante os anos de espera para iniciar o processo seletivo eu construi junto com a minha personalidade um modelo de critérios que futuramente eu usaria para selecionar o príncipe ideal.. logo de cara cinco coisas estavam decididas:

1- eu não suporto o cheiro de cigarros,odeio como aquela fumaça impregna no cabelo(que desde sempre se tornou meu maior orgulho). Sendo assim,meu príncipe não poderia fumar. Hoje podemos acrescentar também nargile,drogas,charutos e derivados. E isso foi decidido ainda no maternal..

2- Ainda no jardim da infância, pude ter o desprazer de ser apresentada a um mundo totalmente colorido e permanente. Não eu não estou falando de GLS,mesmo por que não tenho nada contra. Estou falando daqueles desenhos, estampados em partes do corpo que nem água ou reza brava podem dirá los de la. As tatuagens. Nunca gostei. Não entrava na minha cabeça os motivos que levaria alguém passar por aquela tortura ou mesmo PAGAR por ela. Pra que? Eternizar? Não da pra pintar um quadro?tirar uma foto? Sei la....alem do mais pra mim isso é uma ofensa. Deus disse que nada nessa terra seria eterno. Por que você, mero mortal se julga superior a ponto de querer eternizar uma figura no seu corpo? Muita pretensão. Falando Nele, nem preciso citar a parte do seu corpo meu templo ne? Mas cada templo sua sentença eu so sabia que a sentença da minha cara metade deveria bater com a minha. Nada de tatuagens. Indiscutível, inegociável, imprudência sem fiança. Game over. Garota de personalidade,disso eu me orgulho de mim.

3- Entrando no primário fui apresentada a mundo alcoólico. Não eu não ingeri nada. Mas tinha um ente, muito querido, que tinha gosto pela coisa. Acho que não podemos classifica lo como alcoólatra mas fraco com certeza...a bebida o levou ao coma, e quase o tirou de nos. Graças a Deus o susto passou,mas as lembranças e o trauma ficaram. Nada de bebidas. Nem social nem regularmente. Como pessoa tudo bem, cada um tem sua vida, faz dela o quer. Mas eu acreditava que apartir do momento que dividimos o que somos com uma outra pessoa deveríamos nos preocupar e zelar duas vezes mais. Não so pela pessoa que esta com você, a saúde dela, os problemas dela, a vida dela... mas a sua. Se você ama não quer ver la sofre e ela sofreria se você partisse. Sabemos que a morte é inevitável e as vezes incontrolável. Mas dar chance ao azar é imperdoável. Ainda mais quando alguém espera de você algo mais, muito mais. Deposita em você uma esperança, um sonhos, projetos,confiança.Voce não esta sozinho,alguém de alguma forma depende de você. E beber não é a maneira mais inteligente e justa de retribuir. Se matar ao poucos é ainda mais cruel que ser inesperadamente tirado de alguém.

4- Não considerava os olhos azuis verdes violetas seja o que for. Não considerava o biótipo malhado,alto... eu queria alguém que soubesse o que queria.assim como eu sempre soube. Não precisava ter a plena consciência no auge dos seus 10 anos o que iria executar nos próximos 30 anos mas queria alguém que soubesse como se estruturar. “não sei que faculdade fazer, mas quero estudar. Não sei em que sou bom, mas quero trabalhar. Não sei quanto quero ganhar, mas quero poder pagar minhas próprias contas. Não sei onde vou morar, mas quero ter minha casa própria. Não tenho um carro mas quero apreender a dirigir um dia...” e por ai segue a vida. Queria alguém determinado. Batalhador. Isso era fundamental. E vinha antes, bem antes da beleza.

5- E ao final quando iniciei minha vida namoristica, aos 13 anos. Passei a observar mais o mundo conceitual alheio. Descobri que todos temos características firmes e imutáveis. Reconheci em meu pai um grande homem. Um exemplo a ser seguido. Precisava de alguém com o respeito que ele demonstra ter por minha mãe,e por todos as mulheres de sua vida(me refiro a minha vo e nos as filhas ¬¬). Eu precisaria de um companheiro tão leal quanto meu pai é a minha mãe. Tão sensato, e terno. Isso eu precisava de alguém sensível a vida.

Pronto meus critérios estavam formulados. Minha constituição estava pronta.

A vida me ensinou que alguns outros critérios deveriam ser levados a serio. A honestidade, a sinceridade, a humildade, a generosidade.

Foi então que as novelas me ensinaram novas coisas. A fidelidade, a atenção, o zelo,o romantismo.

No colegial entrei numa fase cultural. Sempre fui alucinada por livros. Devorava os com uma sede de aprendizado assustador. Como dizia meu pai: um não alcançava o outro.então a partir daí já não era tão fácil me seduzir. Passei a me apaixonar não por pessoas mas por conteúdos.sabedoria, inteligência, historias de vida.teve uma época que eu acreditava que se livros me mandassem flores eu certamente me casaria com eles. Ta ai, no meu ponto de vista de todos os meus critérios esse é o maior desafio na categoria dificuldade. É muito fácil preencher qualquer um dos outros requisito. E é nesse que eu me diferencio das outras meninas.

Agora entram novos pontos a serem avaliados. Castidade, religião,maturidade, passado... não tem sido fácil. A vida ao invés de facilitar so complica... a cada dia,

Mas por outro lado a gente também descobre o amor. Não aquele que via nos meus filmes... tão puro, inocente,valente, e doce... mas o amor verdadeiro. Com suas crises, suas dificuldades reais, seus defeitos,sua imensidão e sua força.

E é esse amor que nos leva a encarar tudo e todos. Ate que chega uma hora em que você se encontra numa dinâmica. Ate que ponto eu o amo? Para onde tudo isso esta nos levado? De repente você percebe que encontrou a pessoa certa. Mas certa pra que? Será que casamento agora tem um significado pra você? Um medo te invade. A sensação de estar correndo demais contra um tempo que em nenhum momento esteve contra você.



Ano novo, vida velha!



Feliz ano novo.

Segundo ano de blog,e mais uma vez estou eu aqui pra desejar um prospero ano.

Um ano de realizações, de magia, de sucesso..que 2011 supere o que foi 2010.

Foram muitos os pedidos para 2010... e muitas foram as realizaçoes... varias supresas, muitos presentes, varias mudanças,gente que chegou, gente que partiu....um ano e tanto.

Vim pedi menos perdar, muitos ganhos, menos despedidas, mais sorrisos, mais tempo, menos correria, mais lembranças, menos lagrimas, mais emoção, menos distancias, mas presença,menos solidão,mas festa, amigos, mais amor, mais sabedoria, menos decepção, mais força,mais vida!

Vida! é exatamente isso que eu desejo a todos vocês.

Uma vida longa, uma vida prospera, uma vida alegre... peço que viva!

Viva cada segundo como se fosse o ultimo, viva cada companhia como se não existisse o amanha, viva cada sonho como se a qualquer momento pudesse acordar, viva as lembranças como se alguém as conseguissem roubar, viva com sabedoria, com animação, com sentimento, com o coração. Viva apenas por viver.

Adeus Vovo


Era abril, 27 pra ser mais exata.

Algo terrível aconteceu.vovo morreu.

Me dirigi a São Paulo,minha cidade natal, onde la estavam papai e mamãe... e o resto.

Cheguei ao aeroporto cerca de oito e meia da manha. Sim,madruguei em Buenos Aires. Ninguém dormiu. La estava ela, com seus seus ternos braços abertos, correndo ao meu encontro,a voz ainda embargada,olhar agora um pouco mais firme. Apesar de tudo, me passava tranqüilidade.

Me disse que vovo estava melhor agora, que eu não deveria me desesperar por que eu ao contrario de muitos, estive com ele ate o final. Embora não tenha participado do adeus naquela terça feira na sala do hospital.

Fomos para casa. Tomei um banho e me dirigi ao cemitério onde estavam velando o corpo do meu avo. Logo na entrada avistei meu primo, que me comprimentou com grande abraço acolhedor. Aquele abraço me era particular. Já o havia recebido antes. O mesmo tom de desespero, o mesmo grau de seriedade,o mesmo desconsolo. A data era 22.11.06. falta vovo nos faz.

Durante o trageto ate a sala principal encontre mais rostos conhecidos,abraços confortantes,desajeitados, desesperados..mas nada daquilo realmente me importava. Não me importava quem tinha ficado e sim quem tinha ido. Enfim cheguei aos pés do cachão, flores brancas,duas coroas como de cabeceira, tios, tias e mais primos. Olhei para o vovo, tão sereno tão em paz e entendi as palavras da mamãe. Ele realmente estava melhor. Me aproximei toquei suas mãos e a emoção veio a tona. Alguém veio me abraçar. Não importava quem era. Vovo estava morto. Não voltaria pra casa aquela noite. Seu quarto ficaria vazio de hoje em diante. Eu não o teria mais.

Percebi que mais alguém chorava num cantinho da sala. Me aproximei. Tio Cloves.

Eu poderia imaginar que para ele também não seria fácil, depois de nos era o que mais convivia com vovo. Lhe abracei o mais forte que pude, como se por aquele abraço conseguisse transmitir um pouco da minha força. Que inesplicavelmente voltou a ocupar meu ser. Me retirei da sala, precisa de ar, precisa pensar.. acho que precisava sentar. Alguns minutos depois, quem sabe horas(simplesmente perdi a noção do tempo) o pastor estava ao meu lado perguntando se eu teria feito o texto que me havia sido solicitado para o culto de despedida. Eu sorri da maneira que pude e o entreguei. Ele me perguntou se eu lembrava de algum hino que vovo gostava, ou verso bíblico. Respondi sem pensar.

A hora se aproximava eu podia sentir, meu coração se comprimia ainda mais. Vamos vovo acorde, diz que é tudo brincadeira. De mal gosto. Que hoje na janta terá peixe, pode ser galinha caipira eu não ligo, so levanta daí me abraça forte e diz que vai ficar.

Que vai ficar tudo bem.

Fecharam o cachão. Acompanhamos ate a sepultura que já estava preparada. Um sol forte, todos ao redor, eu não quis chegar perto.o ultimo adeus, a ultima oração, a primeira PA de terra. É isso? Onde vocês vão? Vamos ficar mais um pouco.... não o deixem aqui. Sozinho. Todos se afastam. Entram em seus carros sem trocar nenhuma palavra. Não iríamos pra casa da vovo como fizemos quando ela partiu? Não estaríamos juntos para suportar a dor. Que seja. Não faz diferença, a dor é a mesma. Meu telefone toca. Meninas... como é bom ouvir as vozes de vocês. O caminho ate a casa foi... doloroso. Mas curto. Banho, cama. Dormir. Quem sabe não acorde tudo bem...

27/04/2010


Voltando para casa. 5:00 28/04.Dia péssimo. Avião ganhando força.Lagrimas caindo. Seu rosto na minha memória,a sua alegria em ver o tango,sua careta para o gosto do pomello,sua cordialidade com as velhinhas que passam nas ruas, seu fascínio com a salada de frutas argentina e as medialunas.

Tudo escuro,me dei conta de que as luzes estão apagadas,o avião continua a se mover parece que perdeu a força... já não tem importância. Lembranças me envolvem.

- A decolagem foi autorizada - avisa o piloto. Casaco, cabelo e folha molhados pelas lagrimas. Queria ter podido te ver mais uma vez. Avião correndo. Muito!

Lagrimas cessam, tensão no ar.Meu coração voa na frente.Sai do solo. Deixo para trás minha casa e vôo de encontro a meu lar.Nunca imaginei que pudesse chorar tanto. Dou graças a Deus pelas luzes apagadas ,pela poltrona ao lado vazia e pelo sono do inocente senhor da janela que nada tem a ver com a minha angustia. Meu paraíso geometricamente calculado fica menor. Minha cabeça gira e o sono não vem. E eu desejo com toda a minha força que ele viesse ou que ele não fosse. Seu gênio forte,meu temperamento infantil... tudo vai ficar muito vazio sem você. A casa me parece exagerada, você vai fazer falta. Oh Vozinho!

O seu rosto na tela do meu PC, me dizendo o quanto parecia bem que estava com saudades e logo voltaria para me ver.Tempo injusto.

24 horas e eu teria chegado.

A aeromoça me pergunta se sou brasileira, a essa altura o que importa?

O cara que julgo ser o piloto já fez suas apresentações. Percebi que as luzes voltaram. Minha cabeça continua a doer.

2 horas pela frente....infinitos minutos que brincam de deslizar em câmera lenta no tempo. O piloto se manifesta de novo,da informações irrelevantes e projeta minha chegada para as 7:15.

A aeromoça me oferece bala. Ironia. Sabe qual a marca? Aquela que o vozinho sempre trazia nos bolsos. Lagrimas.

Percebo que talvez não consiga dar conta de fazer uma biografia fúnebre para ele. Luzes apagadas.

-Saco,vamos decide se ascende ou apaga?!- Ânimos alterados. Me pergunto o que mas de conhecidencias poderia ter hoje.

Lembro de sua modinha:”amigooo....” Sua voz rouca tentando canta la. Me dei conta de que estou sentada na mesma poltrona que ele se sentara em nossa ultima viagem.Corredor.

Vontade de abraçar o Barry, mas a vontade é bem menor que o desejo de permanecer inerte. Os únicos que agora trabalham cérebro,coração e mão.Não necessariamente nessa ordem. Lembrei que o Claudio foi um amor essa noite, lembrar de ser gentil na volta. Voltar. Eu tenho que voltar. É eu voltarei... Saudade do colo materno,do beijo paterno e das briguinhas com a Sis. Família. A minha ta menor agora. No fundo nunca deixou de ser. E isso dói. As luzes voltaram.

Começa o serviço de bordo. Cheirinho de café.Só ele fazia café em casa. Dói saber que a rotina cambiara. Lembrando de como minha mãe trazia a voz suave e leve aquela noite. Tento toma la como exemplo. Mais lagrimas.

Me dei conta que ao entrar recebi um pacote com um kit para descanso. Descansar. Quem consegue? O senhor ao meu lado tenta. Cabeça vazia.Alivio.Respirar fundo.

Serviço de bordo se aproximando. Pausa na escrita. Crepúsculo Lindo, de tirar o ar. Agora entende por que todos lugares na janela estavam ocupados. Lanche: tostado de queso e jamon, coca salada de fruta do vozinho e uma broa com manteiga. Ai meu Pai que horas será agora? Será que estou longe o bastante para estar perto o suficiente?

Raios de sol na janela, a perfeição Divina. Deus sabe realmente o que faz.

Nada é maior que o desejo de estar em casa. Pequenas turbulências.O argentino da frente pergunta:¿Molesto ahi? Por ter abaixado a poltrona. “não meu filho, quem dera se meus problemas se resumissem em um inclinar de poltrona.” Perdendo altitude.Chegamos em São Paulo- acaba de anunciar o piloto. Tempo encoberto. Turbulências mil, tentando refazer a biografia fúnebre.Sinto me um pouco mais forte.

- Esse negocio vai cair meu Deus.

Pra não dizer que não escrevi nada, fiz algumas linhas.

- Esse avião nunca desce?

Sensação de estar voando em círculos.Impotência,imobilidade.Quisera eu ter asas.A arte da espera não é uma habilidade que por hora possuo.Turbulência. Eu tinha muitas expectativas para o meu primeiro vôo sozinha mas nenhuma chegou perto do que realmente esta sendo. Apesar de tudo agora percebo o quão rápido passou essas 2 horas,mas porque se esticam os minutos finais?

Inclinação para esquerda.horizontalizou.

-Tripulação, preparar para o pouso.

Demorou. Chegando.

Provavelmente não poderei escrever. Então finalizo dizendo como é bom estar em casa, e o quanto vou sentir sua falta.

Enfim, em solos brasileiros.